Como contratar e manter colaboradores

10/08/2021

8min

como-contratar-e-manter-colaboradores

Contratar as pessoas certas para os lugares certos e, mais do que isto, manter seus colaboradores motivados, evitando a alta rotatividade, faz toda a diferença para ampliar os resultados de uma empresa.

Para aproveitar as oportunidades de qualquer grande período de vendas é preciso planejamento e definição de estratégias. Por exemplo: definir o mix e volume de produtos em estoque, estabelecer estratégias de promoção, comunicação e dimensionamento de estrutura. Tudo isso aliado à contratação e capacitação da sua equipe. 

Neste artigo, a Gerente de Atração e Retenção de Recursos Humanos do Atacadão, Cláudia Leitão, aborda o assunto de forma simples e didática, trazendo dicas muito interessantes de como proceder quando o assunto é gestão de pessoas. Confira!

Contratar o profissional certo se trata também de identificação com a cultura e os valores da sua empresa

Gerenciar pessoas é sempre um grande desafio, ainda mais quando se está à frente do próprio negócio. As questões financeiras, operacionais e administrativas acabam se tornando prioridades no dia a dia, o que pode deixar a gestão de colaboradores em segundo plano.

É muito importante manter um modelo de gestão que seja adequado à sua empresa e, acima de tudo, construído com base na confiança mútua e profissionalismo.

Inserir um profissional no quadro de colaboradores é uma ação estratégica. Por isso, é muito importante definir o perfil de profissional que você está buscando para que esse perfil esteja alinhado com os objetivos e propósitos do seu negócio. 

Ainda que se esteja contratando um profissional temporário para uma demanda específica, o empenho deverá ser o mesmo. Afinal, esse colaborador precisa estar engajado e motivado para fazer a diferença. Outro fator é que este colaborador tem grandes chances de ser efetivado ou ser contratado em futuras oportunidades.

1. Defina o perfil do colaborador ideal

O primeiro passo é identificar as necessidades da atividade a ser exercida e qual característica você busca em um candidato. Ter critérios claros e um perfil bem definido é a chave para uma boa contratação.

A seleção do novo colaborador deve ser baseada na transparência; o detalhamento da atividade que será exercida é muito importante. A transparência também está relacionada ao ambiente de trabalho e benefícios oferecidos, apresentando o desafio que o candidato vai encarar. 

2. Avalie se o candidato se identifica com a sua empresa

O passo seguinte é analisar as experiências dos candidatos, com base no perfil definido, avaliando os cargos ocupados, as empresas em que ele trabalhou e as atividades desempenhadas.

Nessa fase, é preciso fazer as perguntas certas, onde o candidato traga exemplos práticos sobre sua atuação. Contratar o profissional certo não se trata apenas de qualificação e experiência, mas também de identificação com a cultura e valores da sua empresa. 

Dependendo da vaga, pode ser necessário algum conhecimento específico. Para esse tipo de avaliação, você pode utilizar algum teste, solicitando aos colaboradores que atuam na área e que conhecem muito bem a função, que elaborem a ferramenta.

Lembre-se que é muito importante ter um roteiro para entrevista e deixar o candidato se expressar, de modo que o processo seja mais assertivo. Fazer perguntas objetivas e fugir de referências pessoais são dicas importantes para quem está em fase de contratações. 

Ouvir os colaboradores é uma forma de engajá-los. Faça reuniões para receber ideias e aproveitar a experiência da equipe

Ouvir as pessoas é uma forma de engajá-las. Fazer reuniões com frequência para receber ideias, aproveitar a experiência da equipe na solução dos problemas, fornecer retorno aos colaboradores e saber ouvir críticas, contribuem para que cada funcionário também tenha o sentimento de ser dono do negócio.

Ou seja, envolva, sempre que possível, os colaboradores nos processos de tomada de decisão e incentive que eles participem do seu negócio de forma colaborativa. 

Incentivar a capacitação e valorizar o conhecimento é uma das melhores formas de engajar um colaborador

Outro sentimento fundamental para gerar engajamento é o orgulho. Os colaboradores precisam se sentir orgulhosos em pertencer ao quadro da sua empresa, vestindo a camisa de maneira confiante. Oferecer programas de incentivo também é um atrativo a mais para o profissional.

Estimular a capacitação e valorizar o conhecimento são duas das melhores formas de engajar um colaborador. Assim, ele se sentirá motivado a buscar novos desafios e a melhorar técnica e profissionalmente.

Manter os colaboradores também é um desafio

O mesmo esforço empenhado na seleção deve ser demonstrado na manutenção do profissional, uma vez que contratamos baseados em critérios claros e em um perfil bem definido.

O primeiro ponto pode parecer muito simples, mas precisa ser lembrado: cumpra tudo o que foi prometido na entrevista. Assim, já se estabelece uma relação de confiança com o novo colaborador, que terá segurança e tranquilidade para trabalhar.

Estabeleça também um processo de integração, com clareza nas regras e procedimentos da sua empresa. Pense em uma lista de responsabilidades que irão funcionar como um guia para o colaborador recém-admitido.

Mesmo cuidando de todos os critérios, na hora de contratar pode acontecer que o funcionário não se adapte à função ou à cultura da empresa, ou até mesmo que não tenha sido escolhido o candidato ideal. Isso deve ser analisado durante o período de experiência.  

É muito importante realizar um acompanhamento para ver se as atividades estão sendo bem desenvolvidas e se o funcionário está cumprindo todas as normas da empresa. Se não estiver, não se pode deixar para concluir isso após período de experiência, o que pode gerar custos em um inevitável desligamento e perda de qualidade nas funções desempenhadas; o que, convenhamos, é muito ruim para empresa.

Rotatividade de colaboradores não faz bem para o negócio

Contratar o profissional errado gera, para a sua empresa, pelo menos dois sérios problemas. 

O primeiro deles é a lentidão operacional. Com a alta rotatividade é preciso explicar, várias vezes, o mesmo processo em pouco tempo, acarretando em retrabalho e perda de material ou, ainda pior, na perda de clientes. O outro problema é o custo relacionado com os trâmites burocráticos de contratação e ainda os de rescisão de contrato.

Enfim, ter uma alta rotatividade no quadro de funcionários só gera despesas desnecessárias e ainda atrapalha a produtividade. O que, no final, afeta também a rentabilidade e a competitividade do seu negócio.

 

Cláudia Leitão é formada em Psicologia com MBA em Gestão de Pessoas e Gestão Empresarial pela Universidade FGV. Possui 18 anos de experiência na área de Recursos Humanos. Iniciou no Atacadão em 2000, exercendo a função de Analista de RH. Em 2008, foi promovida à Coordenadora Regional de RH. E em 2013 assumiu a Gerência da área de Atração e Retenção de RH.

Deixe uma resposta

Página Inicial